Presidente da FCA na América Latina fala sobre o investimento no Brasil





Presidente da FCA na América Latina fala sobre o investimento no Brasil

Antonio Filosa falou sobre a chegada da RAM, SUV da Fiat e resultados da Jeep

Fotos: Divulgação | Texto: Lucas Litvay | Adaptação web Renê Saba

Compartilhe esse conteúdo

Uma entrevista com Antonio Filosa, presidente da FCA para a América Latina, marca que atua com a Fiat, Jeep, RAM etc. O executivo falou sobre o rumo que o grupo irá seguir no Brasil e, principalmente, nos países da América Latina.

Assine a Revista Car and Driver

Car and Driver: Muito tem se falado sobre a produção local das picapes RAM no Brasil. O que há de concreto?

Antonio Filosa: O mercado brasileiro vai crescer nos próximos anos e é inegável que o segmento de picapes vai avançar ainda mais fortemente. A agropecuária brasileira está bombando. Sim, estamos estudando a produção por aqui de picapes RAM, marca altamente conectada com o segmento de picapes. Mas antes é preciso estudar se produziremos no Brasil ou em outro país da região, como a Argentina, por exemplo. Logística no segmento de picape é algo ainda mais relevante. Pois metade do carro (caçamba) é formada por ar. E não dá para exportar ar.

Car and Driver: Nos últimos anos, a FCA sofreu um processo de germanização. Ou seja, priorizou processos e qualidade, mas parece que perdeu a agilidade e leitura de mercado. 

Antonio Filosa: Agora é a vez da napolização (Filosa é natural de Nápoles, Itália). Acredito que temos o melhor time da FCA global. Vamos manter essa tradição de boa leitura dos desejos de consumo do público brasileiro.

Car and Driver: O Mobi matou Mille e Palio Fire. Argo liquidou o Palio, o Punto e o Bravo. Já o Cronos limou Siena de entrada e o Linea. O portfólio da Fiat não está enxuto demais?

Antonio Filosa: Não. Todos esses carros já estavam datados. Precisávamos renovar. Mas estamos no início do processo de renovação. Em dois anos, a Fiat deverá ter um portfólio mais amplo no País.

Leia mais:

+ Jeep confirma mini Renegade e SUV com sete lugares para 2022

+ RAM terá picape média em 2022 que pode ser fabricada no Brasil

+ Fiat Mobi GSR é o carro automatizado mais barato do Brasil

Car and Driver: Qual a sua expectativa para o mercado brasileiro?

Antonio Filosa: Temos visto uma consecutiva queda das taxas de juros, inflação baixa e controlada e um ligeiro otimismo do consumidor. A expectativa é de crescimento com um mercado atingindo 2,4 milhões de carros no Brasil; 900 mil na Argentina e cerca de 1,2 milhões para os demais países da América Latina, com destaque para o Chile. 

Car and Driver: E como a matriz vê a operação na região?

Antonio Filosa: Com bons olhos. Por essa conjuntura econômica eles apostam que a América Latina será o destaque entre as cinco regiões que operamos. Em junho a FCA definirá os planos de investimentos para os próximos cinco anos. E nossa estratégia é regionalizar a gestão, dando mais autonomia para cada região decidir seus rumos. 

Car and Driver: Quando vamos ver um SUV Fiat brasileiro?

Antonio Filosa: A Jeep é a nossa marca de SUVs. E suas boas vendas mostram que estamos no caminho certo. O SUV caiu nas graças do consumidor. E prevejo que os sedãs médios vão perder mercado em todo mundo para os SUVs. Sobre SUV Fiat? Em breve anunciaremos nossos planos. 

Quer estar por dentro de tudo o que acontece no mercado automotivo? Então não perca tempo. Peça já a edição 125 da Revista Car and Driver Brasil. Compre aqui.

 



Comentários